terça-feira, 25 de julho de 2017

Necessidades reais


 Onde situes os teus interesses, em torno d’Eles circularão as tuas necessidades.
Onde tenhas o pensamento, ali porás a emoção.
Indispensável repensar as aspirações de maneira a fixar apenas aquelas que trabalham para a tua realização profunda.
*
A ambição conduz ao tresvario.
A avareza leva à mesquinharia.
A sensualidade brutaliza.
A indolência entorpece os sentimentos.
A gula desajusta a máquina orgânica.
O egoísmo encarcera o ser.
O orgulho envenena o homem.
O vício destrambelha os equipamentos do corpo e da alma.
O ódio enlouquece a criatura.
O ciúme deforma a visão da realidade.
*
O que mais anelas e pensas corporifica-se e passa a dominar-te interiormente.
Tens um compromisso com a vida, assim como esta dispõe de uma tarefa para ti.
Ausculta as tuas necessidades reais e olha em derredor.
Possuis mais do que precisas, enquanto muitos carecem mais do que dispõem.
Não apenas em recursos materiais, mas, também, em conhecimentos, educação, discernimento, capacidade de serviço, razão...
*
Há, no mundo, mais escassez de paz do que de pão.
Há mais solidão do que companheirismo.
Faltam mais os valores morais do que os bens materiais.
Estes últimos são os efeitos infelizes dos primeiros.
...E porque são escassas a equanimidade e a justiça, abundam a miséria e a ignorância.
*
Não postergues indefinidamente o teu momento de entrega, de por-te em relação com o melhor tesouro, pois onde o depositares, “aí estará o teu coração”, conforme acentuou Jesus, facultando-te ou não felicidade.

*********************
Joanna de Ângelis
Divaldo P. Franco 
 


MENSAGEM DO ESE:
Pecado por pensamentos. Adultério

Aprendestes que foi dito aos antigos: “Não cometereis adultério. Eu, porém, vos digo que aquele que houver olhado uma mulher, com mau desejo para com ela, já em seu coração cometeu adultério com ela.” (S. Mateus, cap. V, vv. 27 e 28.)
A palavra adultério não deve absolutamente ser entendida aqui no sentido exclusivo da acepção que lhe é própria, porém, num sentido mais geral. Muitas vezes Jesus a empregou por extensão, para designar o mal, o pecado, todo e qualquer pensamento mau, como, por exemplo, nesta passagem: “Porquanto se alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras, dentre esta raça adúltera e pecadora, o Filho do Homem também se envergonhará dele, quando vier acompanhado dos santos anjos, na glória de seu Pai.” (S. MARCOS, cap. VIII, v. 38.)
A verdadeira pureza não está somente nos atos; está também no pensamento, porquanto aquele que tem puro o coração, nem sequer pensa no mal. Foi o que Jesus quis dizer: ele condena o pecado, mesmo em pensamento, porque é sinal de impureza.
Esse princípio suscita naturalmente a seguinte questão: Sofrem-se as conseqüências de um pensamento mau, embora nenhum efeito produza? Cumpre se faça aqui uma importante distinção. À medida que avança na vida espiritual, a alma que enveredou pelo mau caminho se esclarece e despoja pouco a pouco de suas imperfeições, conforme a maior ou menor boa-vontade que demonstre, em virtude do seu livre-arbítrio. Todo pensamento mau resulta, pois, da imperfeição da alma; mas, de acordo com o desejo que alimenta de depurar-se, mesmo esse mau pensamento se lhe torna uma ocasião de adiantar-se, porque ela o repele com energia. É indício de esforço por apagar uma mancha. Não cederá, se se apresentar oportunidade de satisfazer a um mau desejo. Depois que haja resistido, sentir-se-á mais forte e contente com a sua vitória.
Aquela que, ao contrário, não tomou boas resoluções, procura ocasião de praticar o mau ato e, se não o leva a efeito, não é por virtude da sua vontade, mas por falta de ensejo. É, pois, tão culpada quanto o seria se o cometesse.
Em resumo, naquele que nem sequer concebe a idéia do mal, já há progresso realizado; naquele a quem essa idéia acode, mas que a repele, há progresso em vias de realizar-se; naquele, finalmente, que pensa no mal e nesse pensamento se compraz, o mal ainda existe na plenitude da sua força. Num, o trabalho está feito; no outro, está por fazer-se. Deus, que é justo, leva em conta todas essas gradações na responsabilidade dos atos e dos pensamentos do homem.
 
(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. VIII, itens 5 a 7.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo comentário.