quinta-feira, 20 de junho de 2013

Remorsos

O orgulho humano tem sido tirano cruel a impedir que a alma se liberte das situações mais tolas, e que alce voos aos planos da harmonia.

É comum que no cotidiano ocorram situações ásperas ou desentendimentos, que poderiam ser solucionados de uma só vez com um pedido de desculpa, com uma palavra de entendimento, mas isso não se dá.

Compreensível que em um relacionamento afetivo, seja entre amigos, irmãos, namorados ou esposos, algumas vezes ocorram estremecimentos, numa expressão mais dura, numa referência infeliz ou num tom de voz acintoso ou debochado, capazes de promover estresses entre as partes. 
Bastaria um pedido de perdão, um gesto de carinho, uma expressão de arrependimento, e tudo voltaria às boas, mas isso é difícil.

Quantas vezes numa altercação são ditas palavras impensadas, que são liberadas no calor da querela, sem qualquer qualidade do coração, e que a aproximação afetuosa, uma palavra carinhosa ou uma justificativa sincera tudo resolveria.
 Porém isso é raro.

O orgulho insinua em nosso íntimo que voltar atrás ou rogar escusas é covardia...

Outras vezes o orgulho não recomenda a retratação para que se não humilhe o ofensor...

Há ocasiões em que o orgulho estabelece que o que um homem diz não desdiz ou que o que uma mulher afirma está afirmado, e pronto, doa a quem doer... 
E nascem os torturantes sentimentos de remorso a partir daí.

O remorso é um ácido que corrói a harmonia do coração; é o ruído que desassossega os silêncios da alma; é o grito surdo da covardia moral de quem, por não se respeitar, não respeita os demais.

O remorso, em verdade, só tem sentido quando abre espaço à expiação, ao acerto de contas, ao resgate. 
Abra, então, seu coração e não agasalhe remorso para viver em paz consigo mesmo.

Perante qualquer situação que lhe possa perturbar a tranquilidade, volte atrás e peça desculpas. 
Você jamais se humilhará nem será diminuído, mas será valoroso e grande perante a sua consciência, que é o que mais interessa.
**************
Benedita Maria
 José Raul Teixeira 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo comentário.