quarta-feira, 26 de julho de 2017

Como seguirás



A tua escala de valores necessita de uma avaliação.
Depositas muita importância em moedas e gemas preciosas,
telas famosas e tapetes especiais, prataria e cristais...
E mesmo quando o alento da fé te bafeja o coração,
 buscas doutrinas exóticas e comportamentos alienantes,
empreendendo viagens que te levam à presença de personalidades estranhas
ou carismáticas.
Acalmas-te por um momento e já noutro retornam a incerteza
e a insatisfação. A ânsia de querer mais e o veemente desejo de
abarcar tudo exaurem-te os nervos, e o equilíbrio bate em retirada.
*
Os tesouros valem o preço que lhes atribuis.
Nenhum d’eles
preenche o espaço da saudade de um ser amado ou traz o amor
legítimo de alguém ao coração solitário.
No deserto ardente ou numa ilha solitária não te propiciam
uma gota de água ou um baga de pão.
O conhecimento sem disciplina mental, igualmente faz-se instrumento
de perturbação e instabilidade.
As várias teorias, díspares e conflitantes entre si, aturdem a
razão.
*
Toda busca da Verdade, para legitimar-se, deve ser fundamentada
na paz.
A pressa responde pela imperfeição de qualquer obra quanto
a indolência pela demora da realização.
Acalma-te, dá ritmo equilibrado aos teus interesses e encontrarás
o filão de ouro que te conduzirá à felicidade.
*
Jesus já veio ter contigo e deixou-te precioso legado, que ainda
não conheces.
Ao Mahatma Gandhi bastou o “sermão da montanha” para
completar-lhe a preciosa e missionária existência de homem de fé
e ação.
Já o leste, meditando e aplicando-lhe os conceitos no dia-a-dia?
Reavalia, pois, a tua existência, porque, talvez, sem aviso
prévio, a morte chegue à tua porta e, sem pedir licença, informe
que está ha hora do retorno.
Como seguirás?
***************
Joanna de Ângelis



MENSAGEM DO ESE:
Preces inteligíveis

Se eu não entender o que significam as palavras, serei um bárbaro para aquele a quem falo e aquele que me fala será para mim um bárbaro. — Se oro numa língua que não entendo, meu coração ora, mas a minha inteligência não colhe fruto. — Se louvais a Deus apenas de coração, como é que um homem do número daqueles que só entendem a sua própria língua responderá amém no fim da vossa ação de graças, uma vez que ele não entende o que dizeis? — Não é que a vossa ação não seja boa, mas os outros não se edificam com ela. (S. PAULO, 1ª aos Coríntios, cap. XIV, vv. 11, 14, 16 e 17.)
A prece só tem valor pelo pensamento que lhe está conjugado. Ora, é impossível conjugar um pensamento qualquer ao que se não compreende, porquanto o que não se compreende não pode tocar o coração. Para a imensa maioria das criaturas, as preces feitas numa língua que elas não entendem não passam de amálgamas de palavras que nada dizem ao espírito. Para que a prece toque, preciso se torna que cada palavra desperte uma idéia e, desde que não seja entendida, nenhuma idéia poderá despertar. Será dita como simples fórmula, cuja virtude dependerá do maior ou menor número de vezes que a repitam. Muitos oram por dever; alguns, mesmos, por obediência aos usos, pelo que se julgam quites, desde que tenham dito uma oração determinado número de vezes e em tal ou tal ordem. Deus vê o que se passa no fundo dos corações; lê o pensamento e percebe a sinceridade. Julgá-lo, pois, mais sensível à forma do que ao fundo é rebaixá-lo.
 
(Fonte: O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XXVII, itens 16 e 17.)
 



Um comentário:

  1. Lindo texto amiga Joana de Angelis é realmente um anjo de luz,nos iluminando com suas lindas mensagens.Bete passei para oferecer a voce com muito carinho,o selinho,blog pop,que é um presente de distinção aos blogs de maior aceitação do publico,,ganhei e estou repassando aos blogs que
    merecem este conceito,espero que aceite,é muito especial,,bjs marlene

    ResponderExcluir

Obrigada pelo comentário.